Elvis 1956




domingo, 24 de julho de 2011

elvis presley em desenhos e pinturas

Elvis Presley
náo é de hoje que a figura de elvis presley é usada de todo o tipo de forma em filmes videos musicas e tudo o que se pode imaginar nesta sessáo temos elvis em varios desenho e pinturas esta é mais uma forma de carinho ao rei


[ATgAAAD4w0M9SkaWKkZeZic76EkqQjxQ-nwUMQ-oTNk_6EGMy8_JMVWTbcgbItXTKRxGigLAOUCMemRy1xoQuWDVXhFEAJtU9VAjabjAjuML0KlQhQGIidghWA_V1A.jpg]
[ATgAAACE2H5F6LI4JHs27CzZ0zIB3Zf2GpIxUIJeDc9akpvuIJ7oLfjH_JlpK2XTVovLA3PcxRp5mBMwDYW1g-Z2Pu1kAJtU9VCmc5EwhYp4YnOLkuvSGQdHresTrA.jpg]
[ATgAAAAJtUQI28jmV2lsP7h-tfpdlG7-ybhBnPdpl_WeyoD5WYNyP_Hd-M5fTdxGba2fgE6pcl9Lvai4ZdjAk5koX8x3AJtU9VBb4wGa9iyR3PdBYb5zG5NxmZj3GQ.jpg]
[ATgAAAAAAWi1mZ1ERJdLsaFZeqPuDnp02gZYFhX5kwDsM3ExlwT7_kY97CwVeLVn5ahxvZIgwJvH13VucYXgff0XoWaoAJtU9VAr485T8sibPp0QsCxj96zV94C1kA.jpg]
[ATgAAAAIPlP701W08QQHa92E7G4UlqM4mTgtt8kEfhjbeI6-bSEYh2PGHAOYL5sfnejRgrCeAi-cnBvEmCr1Drkdrd08AJtU9VAMcC2oSCHZmN938C0-9cShHcbBNA.jpg]



sábado, 23 de julho de 2011

A EPE lançará no dia 2 de agosto o DVD duplo "Elvis The Great Performances" com som remasterizado. São imagens de shows, Raras, Especiais de TV e de filmes. Algumas canções incluidas são: Jailhouse Rock; Don't Be Cruel e Return to Sender. Entre as canções há também entrevistas com Jerry Lee Lewis e Carl Perkins que eram contemporâneos de Elvis. Ao todo são mais de 30 canções em duas horas de duração. A pré venda do DVD já esta disponível no site shopelvis.com.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

novo livro de elvis sera lançado no final de 2011

Segundo o site de Portugal "My Way" especializado em música, Elvis ganhará um livro de ilustrações provavelmente no final de 2011. A EPE (Elvis Presley Enterprises) se uniu a Liquid Comics para tocarem este projeto que contará com a participação dos seguintes artistas: Paul Pope, Greg Horn entre outros. Haverá até Elvis em Mangá e animé. Segundo o site haverá também desenhos que o próprio Elvis fez, ou seja, será um lançamento  bem diferente dos que estamos acostumados! Segundo um representante da Liquid Comics, o objetivo é puramente homenagear Elvis, já que em 2012 será lembrado o 35º. aniversário de sua morte.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

jornais de 1977 sobre a morte de elvis

,Resultado de imagem para elvis 1977
o rei partiu no dia 16 de agosto de 1977, isso causou tristeza e dor no mundo todo, o mundo parou com a tristeza da perda do idolo  jornais do mundo todo publicaráo materias sobre sua morte, nesta sessáo do blog podemos ver algumas destas materias,
 

















 
estes sáo jornais muito raros que prováo como foi grande a tristeza pela morte de elvis e tambem que ele
ja mais  sera esquecido
pois voce é o rei elvis presley........... fim

comfirmado musicos de elvis presley em turne no brasil

1 º Show Internacional no Brasil “Tributo a Elvis”


Recebemos da TCB Produções a confirmação e a agenda do 1º Show Internacional em Tributo a Elvis no Brasil. Pela primeira vez muitos fãs poderão conhecer alguns músicos e Back Vocals que trabalharam com Elvis.
Ronnie McDowell Show estará se apresentando em 6 estados Brasileiros.
Os nomes serão mencionados, assim que todos os envolvidos autorizar a divulgação. Mas você já pode conferir a agenda e a data do Show em sua cidade .
17/08 Ronnie McDowell Show Pepsi On Stage Porto Alegre, Brazil
19/08 Ronnie McDowell Show Teatro Positivo Curitiba, Brazil
21/08 Ronnie McDowell Show HSBC Hall Sao Paulo, Brazil
24/08 Ronnie McDowell Show Joao Pessoa Shopping Joao Pessoa, Brazil
25/08 Ronnie McDowell Show Chevrolet Hall Recife, Brazil
26/08 Ronnie McDowell Show Vivo Rio Rio De Janeiro, Brazil
The King is Gone foi o primeiro sucesso de Ronnie McDowell. Cantor profissional e fã de Elvis, Ronnie faz uma série de apresentações com vários músicos que trabalharam com Elvis. Confira no video.
Programas de TV como Domingo Espetacular e Fantástico já demosnstraram interesse total em fazer uma matéria especial.
Enfim, vamos  passar as informações, conforme nós mesmos formos recebendo.
 

domingo, 17 de julho de 2011

elvis presley selos famosos 2

Resultado de imagem para elvis selos


Resultado de imagem para elvis selos

Imagem relacionada

Resultado de imagem para elvis selos

Imagem relacionada

Imagem relacionada

Resultado de imagem para elvis selos

Resultado de imagem para elvis selos


Imagem relacionada

Imagem relacionadaImagem relacionada

Imagem relacionada

disco autografado por elvis a venda

O colecionador Cassio Ricci do Paraná está vendendo o LP "Pot Luck" autografado por Elvis. O LP vem numa moldura juntamente com o certificado de autênticidade americano. Cássio é um colecionador há mais de 35 anos e possui em seu acervo cerca de 6.000 ítens. Ele também realiza exposições em seu Estado geralmente em agosto. O valor do item é de 1500 reais mais as despesas de correio. Se você deseja entrar em contato com Cássio Ricci, ligar para (41) 3262 2962 ou (41) 9652 3462 ou pelo e-mail: cassio.natacao@hotmail.com

sábado, 16 de julho de 2011

entrevista com CHARLIE HODGE

Resultado de imagem para elvis and charlie hodge
charlie foi um dos melhores amigos da vida de elvis muitas pessoas chegaráo a dizer que era seu braço direito,, elvis conheceu charlie quando serviu o exército americano de 1958 a 1960 depois disso charlie numca mais saiu do lado de elvis até o fim acompanhe a entrevista

Quando foi a primeira vez que ouviu o nome de Elvis Presley?Wanda Jackson tinha completado sua turnê do Grand Olé Opry e disse: "Charlie, já ouviste falar de Elvis Presley? Parece que ninguém consegue acompanha-lo". Por isso, eu quis ver este jovem artista. Vi-o pela primeira vez no Ed Sullivan Show, cantando "Blue Moon of Kentucky" como nunca tinha ouvido antes. Deixou-me perplexo. Fiquei impressionado. Lembro-me de pensar que aquele tipo era o melhor. Ele simbolizava o inicio de uma nova era de estilo musical.

Quando conheceu Elvis pessoalmente?
Nos bastidores, em Memphis. Eu estava num espetáculo da estação de Televisão ABC, tinha o melhor grupo de gospel daquela época. E vocês sabem que Elvis adorava música gospel. Ele tinha ido aos bastidores para me conhecer, a mim e ao meu quarteto. Não voltei a vê-lo até ele ser destacado para servir o exército. Ele não me reconheceu. Eu tinha um corte de cabelo que era o meu melhor disfarce. Fui ter com ele e perguntei-lhe quando foi a última vez que ele tinha visto a Wanda. Ele olhou para mim e disse: "Hey, sua cara me parece familiar" e eu respondi: "Sou o Charlie, fui vocalista dos Foggy River Boys". "Hey, eu te via todos os sábados à noite" disse Elvis. Estão imaginando o Elvis a me ver???

 Esteve com Elvis na Alemanha?Sim, fomos ambos para Fort Hood. Mas nunca ficamos juntos no mesmo posto. Na viagem de trem para Jersey é que estivemos a conversar sobre pessoas que conhecíamos no mundo gospel. No navio para a Alemanha ele pediu-me para dividirmos o compartimento. Inicialmente, ele tinha sido colocado com uns sargentos para que as tropas não o aborrecessem, mas ele não conhecia ninguém. Então, ele foi ter com o capitão e pediu para ficarmos juntos e o resto, como se diz, é história.
Como Elvis era tratado no exército?
Lembro-me de uma vez estarmos todos a dormir, a comer e a viver no meio da neve e um coronel apareceu e disse a Elvis que ia para Miami a uma grande convenção e depois seguiria para Paris. Ele olhou para esse coronel e disse: "Senhor, estão aqui 15 mil homens que, tal como eu, estão dormindo debaixo do gelo e, para mim, abandona-los e ter este tratamento especial e depois voltar e olha-los no olho...não conseguiria fazer isso"...

Quais eram os músicos preferidos de Elvis?
Ele gostava de todos os tipos de música. Tinha muitos álbuns. Vários artistas de country, pop e gospel. Ouvia muitas vezes Mario Lanza. Mesmo em Memphis, quando era jovem, ia muitas vezes à um lugar chamado Blues Alley e passava horas ouvindo cantores de blues. Ele ouvia desde gospel até música sinfônica. Ele apreciava diferentes e variados estilos musicais. Mas adorava gospel, em especial J.D. Sumner. J.D. costumava deixar Elvis entrar nos bastidores para ver os Blackwood Bothers cantar. Naquele tempo, Elvis tão pobre que nem tinha dinheiro para ver o grupo atuar, por isso, J.D. deixava-o entrar. Elvis nunca esqueceu do que J.D. fez por ele...

Resultado de imagem para elvis and charlie hodge

Imagem relacionada

Quais eram as influências de Elvis?Vocês ficariam surpreendidos, ele usava certos sons, a que chamava a sua voz de Billy Erstein, na música "Fame and Fortune". Ele adorava a voz de Mario Lanza e conseguia mesmo cantar tão alto como ele. Elvis tinha uma extensão vocal de três oitavas, o que é fantástico para um cantor sem formação. Deixem-me que voz diga que ele nunca teve aulas de canto na vida. De qualquer maneira, a nota mais alta que o Mario Lanza conseguiu foi um Dó acima do Dó central e eu ouvi Elvis cantar um Dó acima muitas vezes em palco.

Qual era o álbum favorito de Elvis?
Elvis tinha uma grande variedade de álbuns. Acho que sua escolha iria recair em qualquer álbum gospel que ele gravou.

Você participou de vários filmes de Elvis, não foi?
Participei de "Clambake", no papel de barbeiro. Apareci fugazmente em "Charro", fazendo um mexicano, na cena em que Elvis aparece na cidade. Também entrei em "Stay Away Joe". Lembro-me de um episódio engraçado, onde numa cena de pancadaria dentro de casa. Elvis olhou para a porta da rua, onde eu estava com a banda. A câmera está a filmar Elvis do seu lado esquerdo e ele diz para tocarmos alguma coisa que estão a ter problemas dentro de casa e ambos desatamos a rir e isso não estava no roteiro. A razão para nós rirmos tanto, foi que estava muito frio e o nariz dele estava pingando. Numa outra cena, Elvis está perseguindo sua mãe, e ele pega nela e desata a rir. O que aconteceu foi que o Joe Espósito e eu estávamos ajoelhados no chão, fora do alcance da câmera. Joe disse: "Hey Charlie, agarra Elvis entre as pernas", eu respondi: "Não, agarra você". Elvis olhou para baixo e desatou a rir...


Resultado de imagem para elvis and charlie hodge

Como que era Las vegas?
Elvis não atuava ao vivo desde 1961, e a primeira vez que esteve em Vegas foi vaiado. Quando eu estava com ele, ficava parado e com um sorriso aberto e eu percebia que ele queria uma bebida. Recordo-me de uma jovem japonesa ter subido no palco, Elvis virou-se para ela e perguntou-lhe o que ela queria: um lenço ou um beijo. Ela olhou para ele e disse que não. Elvis perguntou novamente o que ela queria e a jovem disse James Burton. Elvis deu uma gargalhada estrondosa e acompanhou-a até ao James Burton que a beijou. Depois ficou em frente à Elvis. Ele perguntou se havia mais alguma coisa e ela disse que queria um lenço e um beijo. Elvis pôs o lenço em volta dela e ela pediu o beijo. "Charlie, - berrou Elvis - dê um beijo na jovem" e saiu rindo...
Onde estava quando Elvis morreu?Fiquei em estado de choque. Ainda na noite anterior tínhamos ido ao dentista e lembro-me de Elvis estar brincalhão e divertindo-se. Ele estava ansioso pela nova turnê. Até tinha umas canções novas que queria cantar. Telefonei ao Felton jarvis, depois fui me deitar. Foi a última vez que eu vi Elvis vivo. Estava tudo correndo bem. Elvis tinha planejado começar a sua própria produtora para fazer filmes e escolher seus próprios roteiros.
Você tem a sua própria teoria sobre a causa da morte de Elvis?A verdade é, e ninguém alguma vez me convencerá do contrário. É muito simples: Elvis teve um ataque cardíaco. Deus chamou-o e le foi. Deus o abençoe, Amém....... fim
Imagem relacionada

entrevista com JD fontana

JD fontana foi o primeiro baterista de elvis presley ele conheceu elvis quando em 1954 quando quando o rei gravou seu primeiro disco na sun records apartir dai ele elvis scotty e billy começaráo a se apresentar em shows pelos estados unidos
JD fonta ficou com elvis até 1968,  acompanhe a entrevista

Ele poderia ter presenciado o exato momento em que Bill Gates criou o sistema operacional Windows. Ou poderia estar ao lado da pessoa que acionou o botão e despejou as bombas atômicas sobre o Japão. E ainda, poderia ter ajudado a criar a penicilina.
Na verdade, Dominic Joseph Fontana não apenas presenciou -mas também participou- de um evento tão marcante para humanidade quanto os citados acima: tocou bateria no primeiro disco de Elvis Presley. Aquele, homônimo, de 1956, com a capa preta e letras coloridas, que caiu como uma bomba na cultura ocidental.

Mais conhecido como D. J. Fontana, o baterista não participou apenas do primeiro disco do rei do Rock, como de quase tudo que ele gravou nos 14 anos seguintes de sua carreira, além de acompanhar de perto toda a ascensão do ídolo e conseqüentemente da "elvismania".
É de autoria de Fontana, batidas cruas, rápidas e pesadas, que acabaram tornando-se a fundação da maneira de se tocar bateria no rock. Marteladas demolidoras como em "Hound Dog", "Blue Suede Shoes" e "Jailhouse Rock" ou minimalista, como em "Heartbreak Hotel". Ao lado de Bill Black (baixo) e Scotty Moore (guitarra), Fontana fez parte da banda original de Elvis, que o acompanhou em seus primeiros discos e em suas primeiras turnês.
Hoje, Fontana faz alguns shows pelos EUA, utilizando-se do nome que ganhou junto aos fãs do Elvis. Recentemente, tocou no disco solo do Ronnie Wood, guitarrista dos Rolling Stones.
Assim como aquele tio distante, que você pouco encontra, não precisa muito para que Fontana desfile histórias de sua vida quando jovem -ainda mais quando esse período foi totalmente ao lado de um dos maiores mitos da história

Elvis e DJ Fontana em ação, em 1956


O que mudou na música desde que Elvis morreu?D.J. Fontana: Muita coisa mudou desde 1977. Mas ainda existem muitos jovens que começam a se interessar por Elvis. E isso é genial. Como da velha guarda, poderia posar aqui de saudosista e dizer que naquela época era melhor e coisa e tal. Existem muitas bandas boas por aí. Eu não ouço, mas reconheço coisas boas. Mas sim, naquela época o rock era mais feito com o coração. Existiam as preocupações em vender, claro, mas ficava restrito apenas entre os chefes das gravadoras. Lembro de que quando Elvis foi contratado pela RCA, boatos de que alguns chefões estavam com a corda no pescoço caso ele fosse um fracasso, surgiram. Mas ninguém confirmava. Esse tipo de coisa ficava apenas entre escritórios.

O que seria do rock sem Elvis?
D. J. Fontana: Possivelmente, uma moda passageira. Elvis pode não ter sido o artista mais criativo de sua geração, mas foi o catalisador fundamental para que o rock deixasse o gueto e invadisse todos os lugares. Sem Elvis, Chuck Berry e Little Richards não agüentariam tudo sozinhos. Elvis mudou mais do que a música, mudou o comportamento e o modo de agir e pensar de toda uma geração. E isso não se consegue apenas com boas canções, sim com algo a mais.

Quando o sr. viu Elvis pela primeira vez?
D. J. Fontana: Eu encontrei Elvis pela primeira vez no começo de 1954, no Lousianna Hayride, que era ao mesmo tempo um programa de rádio e um lugar para shows. Era um dos programas mais ouvidos dos EUA. Elvis, Scotty Moore (guitarrista) e Bill Black (baixista) tinham uma apresentação e precisavam de um baterista e eu estava por lá. Dei a sorte de ser o cara certo na hora certa.
Elvis era daquele tipo de pessoa cheia de energia nervosa. Era um cara superativo. Sempre pulando de um lado para o outro ou fazendo alguma coisa. Ele nunca se cansava, mas quando isso acontecia, dormia doze ou treze horas seguidas. Nós íamos para o show dentro de um carro, apenas nós quatro. Nunca conseguíamos chegar a tempo das apresentações, porque não conseguíamos dirigir 100 km sem que Elvis não nos fizesse parar para comprar bombinhas e fogos de artifício. Eu dizia: "Já temos uma sacola cheia" e ele respondia: "Cara, nós podemos precisar de mais". Ele parava e comprava fogos de artifício apenas para ter o que fazer. 


Como eram as gravações e os shows com Elvis, naquela época?D. J. Fontana: As gravações eram bem engraçadas. Ele era fácil de se trabalhar e sabia muito bem o que queria ouvir em uma música. Era incrível, ele sempre dava o melhor de si, não importa em que situação fosse.
Os shows no começo eram esquisitos, porque não tinham muitas pessoas. Mas com o tempo, cada platéia era maior e mais selvagem. Algumas bem selvagens, de invadir o palco e causar quebras enormes. Alguns lugares chegaram a recusar nossos shows com medo de acabar destruído. Nós nos divertimos muito nessa época.
Teve um show, no Canadá em 57, eu acho, que foi bem maluco. Os estádios de futebol (americano) são enormes. Os fãs não conseguiam nos ouvir e muito menos nos ver. Aí uma multidão começou a querer se aproximar do palco para nos ouvir. Tinha uns tapumes, para que as pessoas ficassem sentadas. Os donos do estádio entraram em pânico, diziam: "Deus, eles vão destruir todo o campo". Como se aquelas enormes jogadores não fizessem isso regularmente. Mas o que você pode fazer contra 20 mil pessoas? Matá-las? Você não pode fazer isso. Então Elvis cantou algumas músicas e disse: "Nós gostaríamos que vocês voltassem para os seus lugares". E o público voltou, calmamente. Mas na última música eles avançaram de novo e Elvis saiu do palco, deixando a gente ali com as 20 mil pessoas. O palco foi invadido e destruído, mas nós conseguimos salvar boa parte do equipamento antes. Na saída, uns garotos ameaçaram virar o nosso carro. Gritamos que Elvis não estava com a gente, dentro do carro, e nos deixaram ir. Foi assustador.
As turnês eram quase como todas as outras. Íamos para uma cidade, entrava no hotel, tomava banho e já íamos para o lugar do show. Depois dos shows, entrávamos nos carros e já dirigíamos para a próxima cidade. Nunca parávamos nem para ler os jornais, ou ouvir rádio. Dirigíamos a noite toda e dormíamos de dia. Tudo que sabíamos era dirigir. Foi por isso, também, que demoramos um pouco para ter noção do tamanho que a fama de Elvis tinha ganhado.

O que você lembra da primeira gravação com Elvis?
D. J. Fontana: A primeira gravação que tive com Elvis e o resto do grupo foi o momento mais tenso e nervoso da minha vida. Cheguei primeiro que todo mundo e fiquei sentado na bateria, concentrado. Sabia que não podia errar, existiam muitos bateristas tão bons quanto eu. Dentro de mim sabia que dali ia sair alguma coisa grande, não podia deixar de ser parte daquilo. Lembro muito bem do eco que tinha no estúdio. Mas era muito bom, dava uma atmosfera mais crua às músicas. Quando gravamos na RCA, tentaram captar o mesmo tipo de eco que tinha no disco da Sun Records. Espalharam microfones por todos os lados, mas não foi a mesma coisa.

Como era a relação de Elvis com seu empresário, o Coronel Tom Parker? Era verdade que o Coronel era um sanguessuga?
D. J. Fontana: Só posso dizer da época em que vivi bem ao lado dos dois, ou seja, no começo. Bem, o Coronel trabalhava e vivia para o Elvis, ponto. Ele costumava acordar as 5h, quando geralmente estávamos indo dormir, e não dormia enquanto o último ingresso não tivesse sido contado, ou a última foto vendida. Ele não deixava nenhum promotor ir embora enquanto este não vendesse todos os ingressos que estivesse em suas mãos. No entanto, ele não se importava com ninguém mais. Vinte e quatro horas por dia ele só tinha um pensamento: Elvis. Era o garoto dele. 


Por que a banda original de Elvis se separou? Por que Bill Black e Scotty Moore saíram e você continuou?D. J. Fontana: Mais ou menos no fim de 57, Elvis já era um sucesso enorme em todo o país. Vendendo muitos discos, fazendo muitos shows... Scotty e Bill quiseram ganhar mais também. O que a gente ganhava, na época, eram US$ 200 por semana e as despesas com comida e coisas desse tipo eram por nossa conta. Os dois tinham dívidas... Na verdade, eles queriam um pouco mais de reconhecimento. Escreveram uma carta para Elvis contando a situação. Pediram para eu assinar e eu não quis, achei que estava sendo tratado bem. Eles até que entenderam. Elvis recebeu a carta e conversou com o Coronel. Tentaram uma negociação, mas não chegaram a um acordo. Nesse meio tempo, os dois foram aos jornais e contaram a história. Elvis se sentiu traído, e eles acabaram demitidos de vez.

Quanto você continuou ganhando?
D. J. Fontana: Tínhamos um salário. Ganhava US$ 200 por semana, quando estávamos em turnê. Fora de turnê, ganhava US$ 100 por semana.

O que o sr. acha da volta da "Elvismania" graças ao comercial da Nike?
D. J. Fontana: Fantástico. Pode falarem o que quiserem, mas a música fez com que muita gente nova começasse a se interessar por Elvis. É um veículo muito bom para mostrar a música do Elvis para as novas gerações. Já se passaram 25 anos e Elvis ainda é o número 01.

Por que os músicos que tocaram com o Elvis não conseguiram nunca mais sair da sua sombra e fazer trabalhos autorais?
D. J. Fontana: É difícil esquecer quando se trabalhou com um dos maiores mitos da história da humanidade. O impacto que a convivência com uma pessoa como Elvis causa em você é enorme. Ainda sinto prazer em viver como se fosse naquela época. Acho que cumpri minha função perfeitamente. Se Elvis ainda causa fanatismo em pessoas que nasceram depois que ele morreu, imagina em quem conviveu com ele. Mas tudo bem, é um bom trabalho. Já estou nisso há 40 anos. Em qualquer outro tipo de trabalho, já teriam me despedido com 20 anos de casa.
 




O que o sr. tem feito ultimamente?
D. J. Fontana: Eu acabei de finalizar meu primeiro livro. Chega as livrarias agora em meados de agosto. Chama-se "The Beat Behind the King" ("A Batida por Trás do Rei", numa tradução literal). É o meu primeiro relato de memórias, contendo os 14 anos que eu passei com Elvis. Os discos, filmes, o especial de TV de 68 -aquele onde ele está todo de preto- e todas as aparições em programas diversos. Também tem cerca de 50 fotos, algumas nunca vistas por ninguém. Como um presente para os fãs, o livro também traz um CD grátis comigo contando histórias sobre Elvis. Além disso, vez por outra eu faço alguns shows aqui nos EUA.

Que tipo de música o sr. tem escutado ultimamente?
D. J. Fontana: Eu gosto muito de country, mas o country de raiz, não essas porcarias que tocam nas rádios comerciais. Ouço muita velharia também. Ainda gosto dos discos dos anos 50.

Em algumas gravações dos anos 60, Elvis usava dois bateristas, o sr. e mais alguém. Por que isso?
D. J. Fontana: Esse foi um período triste. Um cara apenas não conseguiria tocar todo o lixo que queriam que a gente gravasse. Naquelas músicas havaianas, por exemplo, tinha bongô, congo, isso e aquilo. Por isso que contratavam outros bateristas.

Naquele especial de 68, onde ele voltou a tocar com sua banda original, esse conceito partiu do próprio Elvis? Foi ele mesmo que te chamou?
D. J. Fontana: Não, ele não me chamou, como não chamou ninguém pessoalmente. Depois que eu parei de tocar com ele, só falei uma vez ao telefone com ele. Elvis sempre tinha pessoas que faziam tudo por ele. Mas a idéia de reunir o pessoal partiu de Elvis, sim. Ele só não fez as ligações.

E a última vez que o sr. o viu?
D. J. Fontana: Acho que foi em 69 ou 70. Fui a Graceland falar com ele. ...........fim

elvis presley selos famosos



é do conhecimento de todos no mundo que elvis presley é a personalidade mais famosa e conhecida na terra uma das figuras mais vendidas e exploradas no mundo e todo este facinio pode ser visto pelo mundo até hoje com varios produtos vendidos, bonecos camisetas perfumes vinhos cremes para cabelos livros revistas filmes discos tudo, nesta sessáo do blog sáo vistos selos raros de elvis que sáo vendidos e exportados para o mundo até os dias de hoje



Selo Com Elvis Presley



Selo Com Elvis Presley

Selo Com Elvis Presley
Selo De Porte Postal De Elvis Presley

Selo De Porte Postal De Elvis Presely
Selo De Porte Postal De Elvis Presely

Selo Do Vintage Com Monroe E Elvis

Selo De Porte Postal De Elvis Presely

este selo faz um grande sucesso entre os fás pelo mundo e ha uma pequena curiosidade quando este selo foi lançado havia uma eleiçao para escolher qual foto seria melhor pra ser colocada no selo eráo os anos 50 e 60, o bacana é que houve gente votando mais na eleiçao dos selos do que para presidente nos estados unidos


este é o selo original comforme é vendido nos estados unidos
Elvis Presley

 
o fato é que elvis é um mito uma lenda táo imortal que tudo que gira em torno de seu nome vira sucesso e estes selos sáo mais uma prova disso ...... elvis é o rei

sexta-feira, 15 de julho de 2011

entrevista com LINDA THOMPSON



Resultado de imagem para elvis LINDA THOMPSON

LINDA THOMPSON
foi uma das ultimas namoradas de elvis presley, ele a conheceu em 1974 um ano apos o fim do casamento de sete anos com priscila
em uma fase dificil em que elvis estava muito triste descontrolado por ficar afastado da filha lisa marie algumas pessoas ligadas a elvis dizem que ele ficou mais feliz mais tranquilo depois do inicio de seu namoro com linda, mais devido a vida descontrolada de shows e o maldito vicio em remedios o relacinamento de elvis e linda durou apenas um ano apenas, mais linda ficou muito amiga dos presley principalmente de lisa

nesta entrevista ela conta um pouco de sua vida com elvis comfira....

- Você poderia me dizer um pouco como conheceu Elvis? Eu acredito que um cara da RCA chamado Bill Browder foi o responsável?Sim, eu o conhecia como Bill Browder, entretanto mais tarde ele passou a ser chamado TG Shepard, se tornando um artista country. Eu era Miss Tennessee naquela época e minha amiga, que foi minha colega de quarto no concurso de Miss USA. Ela era Miss Rhode Island e tinha mudado para Memphis recentemente. De qualquer forma, estávamos passeando um dia e ela sugeriu irmos ao restaurante Fridays para almoçar. Quando entramos lá, conhecemos o Bill, que nos perguntou se queríamos nos sentar com ele.
Então ele perguntou se gostaríamos de conhecermos Elvis. Se não fosse minha amiga, talvez nunca o tivesse conhecido. Eu era muito conservadora e quase disse que estávamos ocupadas naquela noite. Porém minha amiga disse que cancelaríamos os compromissos para conhecer Elvis.

- Você era fã de Elvis na época?
Ah sim, eu sempre fui fã a vida toda.

- Como ele era? Quais foram suas primeiras impressões?
Bem, eu estava na entrada do cinema (Memphian Theater) a meia-noite conversando com alguns dos rapazes de Elvis, quando a porta do carro abriu-se e lá estava aquela visão. Era julho e Memphis estava muito quente e úmido. Ele usava uma capa preta com o colarinho bem alto e por dentro era vermelho. Eu disse à ele: "Vestido como Drácula heim?". Nós dois compartilhávamos o mesmo senso de humor. Nós nos demos bem imediatamente porque crescemos em Memphis e tínhamos a mesma convicção religiosa, o mesmo amor por nossas famílias, gostávamos do mesmo tipo de comida porque éramos sulistas.

- Soa como se tivesse sido quase inevitável Linda?Oh sim foi. Nós tínhamos uma ligação muito forte. Nós éramos como almas gêmeas. Tanto que ele disse: "Onde você esteve este tempo todo?" e eu respondi: "Crescendo..."

- Ele tinha acabado de se separar de Priscilla quando vocês dois se conheceram , certo?
É engraçado porque quando nós nos conhecemos no memphian Theater, ele estava me contando exatamente que ele tinha acabado de se separar. Nós nos conhecemos no dia 6 de julho e ele estava separado desde o começo de janeiro.

- Você obviamente conheceu Lisa Marie logo após vocês começarem a namorar. Quão rápido ela aceitou você como a nova parceira do pai dela?
Ela era uma garotinha maravilhosa. Ela era um pouco tímida, mas eu sempre amei crianças e nós nos dávamos muito bem. A primeira vez que eu a vi foi na casa da Monovale e eu estava na piscina. Ela se aproximou timidamente e disse oi. Nós começamos a conversar e nos tornamos bem próximas.

- Você ainda é próxima dela hoje?
Sim.

- Foi Lisa quem contou sobre a morte de Elvis pra você?Ela me telefonou. Ela tinha apenas 9 anos de idade, mas ela foi madura suficiente para me ligar e me contar o que tinha acontecido.

- Foi mesmo um choque para você ou você já suspeitava que iria acontecer?
Sabe, mesmo se alguém que você conhece se encontra em um caminho de autodestruição, mesmo quando eles morrem, é sempre uma surpresa. Sim, foi um choque.

- Vocês falaram de casamento alguma vez?
Nós conversávamos sobre casamento freqüentemente. Falávamos em Ter filhos também. Quando Elvis estava no hospital algumas vezes com pneumonia e outros problemas de saúde, eu fiquei no hospital com ele por duas semanas e meia. Eu tinha minha própria cama, que ficava perto da dele. Eu até mesmo comia a comida do hospital. Eu era uma garota jovem, saudável e vibrante, mas lá estava eu em uma cama de hospital puxando botões para ajeitar a posição da cama. A TV saia fora do ar à noite, pois não havia TV a cabo como hoje, então nós ficávamos olhando o monitor do berçário escolhendo os bebês que gostaríamos de ter (risos)...


- O que você acha dos rapazes que estavam sempre ao redor de Elvis? Você se dava bem com todos?
Nós na verdade nos dávamos muito bem e eu continuei amiga de alguns deles.
Imagem relacionada

 

- Você manteve contato com Elvis entre o momento em que você o deixou e quando ele morreu?Bem, ele morreu apenas 8 meses depois que eu o deixei. Nós nos falamos uma ou duas vezes depois disso, porque eu me preocupava com ele e ligava. Nós éramos muito amorosos um com o outro. Nós nos amávamos. Eu sei que Elvis compreendia meu coração e eu realmente o amei carinhosamente.

- Eu sei que é verdade. Eu tenho apenas uma questão difícil. Se você ainda estivesse com ele em agosto de 1977, você acredita que você teria estado presente para salvar a vida dele?
Bem, eu sei que eu tenho uma estória famosa por tê-lo salvado a vida dele várias vezes quando certas coisas aconteceram. É uma questão difícil porque todas a volta dele, incluindo seu pai, disse que se eu estivesse com ele, Elvis ainda estaria vivo. Mas isso é algo que jamais saberemos. Eu poderia Ter estado lá e salvado a vida dele por mais dez anos ou eu poderia tê-lo encontrado morto da mesma forma que Ginger o encontrou. Eu acredito que Deus tem formas de resolver as coisas. Ele me tirou da situação porque talvez não houvesse nada que eu poderia ter feito.

- Posso confirmar uma estória com você? É algo que supostamente aconteceu e é uma estória tão legal que eu gostaria de ouvi-la. Você e Elvis estavam comendo no McDonald´s e alguém pensou que ele era um imitador...
A estória é verdadeira mas os detalhes estão um pouco errados. Nós nunca comemos no McDonald´s. Nós estávamos chegando perto do Memphiam Theater. Estávamos entrando e ele estava um pouco a minha frente e alguém se aproximou dele e disse: "Oh meu Deus, olhe é Elvis. Você é o Elvis não?" e ele ficou maluco. Ele queria autógrafo e fotos. Eu me aproximei e disse: "Charlie, você não está usando a estória de Elvis de novo está? Deixa disso, você não está dizendo para essas pessoas que você é Elvis de novo". Eu então disse aos fãs: "Ele escuta isso o tempo todo e está sempre confundido as pessoas". Os fãs disseram: "Nós sabíamos que você não podia ser mesmo Elvis" e Elvis respondeu: "Mas eu sou, diga a eles querida!" Eu respondi, "Vamos Charlie, nós estamos atrasados..."
- Você conheceu alguém com tanto carisma quanto Elvis?Eu não espero encontrar ninguém na minha vida com aquela mágica incrível. Elvis foi único. Minha avó costumava dizer que ele quebrou o molde no qual ele foi feito.

- Como você gostaria de terminar esta entrevista?
Eu provavelmente deveria dizer isso: os anos em que eu estive com Elvis, eu sempre escrevi poesias ( Linda compôs músicas inclusive). Eu fui batizada quando fiz 9 anos na antiga Baptist Church em Memphis e eu sempre senti que o talento que Deus me deu foi o de escrever poesias. Então, eu comecei quando fiz 9 anos, escrevendo poesias para meu pai, minha mãe e toda minha família. Foi assim que eu comecei a escrever letras de músicas e quando eu estava com Elvis, eu escrevia poemas de amor. Sabe, se ele me magoava, eu escrevia sobre isso para mostrar a ele tudo através da poesia. Ele sempre dizia, "Querida, isso é lindo, você deixa eu pedir para alguém transformá-la em música para eu gravar?" e eu sempre dizia que não, porque achava que era pessoal. E na minha estupidez, eu não tinha a mínima idéia sobre o lucro que eu poderia ter feito (risos), mas eu sei que quando ele morreu, ele sabia que eu não estava ao lado dele por causa do dinheiro. Eu estava lá porque eu o amei verdadeiramente...

- Você não pode colocar preço em memórias ou o que você tem em seu coração.
Isso mesmo, mas eu acho que ele iria adorar o fato de que eu me tornei uma compositora de música de sucesso e que sou capaz de trazer toda a poesia para a música. ( Linda compôs músicas para Whitney Houston e Celine Dion entre outros artistas...) fim

entrevista com JERRY SCHILLING


JERRY SCHILLING foi um dos membros da lendaria mafia de memphis, o famoso grupo de pessoas que acompanhava elvis presley em shows e setes de filmes nos anos 60
JERRY permaneceu com o rei até o fim foráo grandes amigos, JERRY chegou a receber muitos presentes de elvis carros joias e até uma bela casa onde vive até hoje,
JERRY ainda é muito visto em especiais de tv e documentarios sobre elvis presley e tambem é muito querido pelos fás de elvis

Abaixo, uma pequena entrevista com Jerry Schilling. Jerry trabalhou para Elvis entre 1964 à 1976, e tinha uma boa relação com o rei. Jerry estava ao lado de Elvis, quando o rei foi visitar o presidente americano Richard Nixon em 1970.
Esta entrevista, publicada originalmente no site Elvis Information Networlk, foi publicada no Brasil no nosso fanzine Elvis News n.º 24 em 2001.
É um depoimento super interessante de Jerry sobre o que se passava ao redor de Elvis. Confira...


Você tem uma vista muito bonita da sua casa.Elvis comprou esta casa para mim.

Você pode falar algo sobre as drogas?
Eu acho que já se foi dito o suficiente sobre as drogas. Tudo foi aumentado e colocado fora de perspectiva e não merece nenhum comentário. Red, Sonny e Dave exageraram e mostraram as coisas totalmente fora de contexto


O que Elvis achou do livro deles (Elvis, What Happened)?Ele me disse que tudo o que poderia Ter sido escrito sobre ele já havia sido escrito. Portanto não o incomodou pessoalmente. O que o incomodou foi que, desta vez, estava vindo do circulo de amigos, para os quais ele tinha feito muitas coisas boas. Feriu seu orgulho. Ele também sentiu que outras pessoas poderiam ser magoadas, como sua filha Lisa, ou Vernon, ou pessoas que trabalhavam para ele. Acho que foi extremamente disconcertante para ele.



Você sabe se Elvis leu o livro?Não. Isso tem sido um mistério. Eu sei que ele sabia sobre certas coisas que foram ditas no livro, mas não sei se ele o leu.

Billy Smith disse que não.Eu não acredito que ele leu. Conhecendo Elvis, e a forma como ele nem gostava de assistir seus filmes, eu duvido que ele tenha lido.

Além da aparente tentativa com John O´Grady de convencer Red e Sonny a não lançarem o livro, Elvis nunca fez nenhum esforço, que você saiba, para impedi-los, ligando para Sonny ou Red?
Sim, ele ligou para Red.


Eu sei que ele ligou para Red uma vez, mas de acordo com o livro, ele disse para eles irem em frente com o que quer que eles estivessem fazendo.
Bem, isso foi depois que ele pensou ser possível convencê-los a esperar antes de lançar o livro. Elvis nunca foi o tipo de pessoa que pede para alguém fazer algo que a pessoa não quisesse fazer. O simples ato de ter ligado para Red foi, se você conhecesse Elvis e eu sei que Red o conhecia, para dizer: "Isso já foi longe demais". Mas ele não ia dizer, "Red, por favor não publique este livro". Ele estaria se rebaixando. Mas o fato de ter ligado e falado com Red, ele estava pedindo desculpas desta forma. Ele era super sensível e nunca queria guardar sentimentos ruins.

Porque na sua opinião, Red e Sonny foram despedidos?
Eu não sei exatamente o porque. Eu acho que foi por várias razões, todas no mesmo momento. Eu sei que Elvis me disse, que eles simplesmente se distanciaram, não estavam mais interessados nas mesmas coisas. Outra razão foi os processos na justiça. Acredito também que Elvis estava se cansando da super proteção, mesmo que ela fosse necessária em certos momentos.


Imagem relacionada

Eu já ouvi dizer que os rapazes, e acho que isso inclui você também, usavam Elvis?Eu não me importo com isso.

Você se separou deles certo?
Algumas vezes, mas eu sempre retornava. Na verdade, eu estava conversando com Lamar uma vez e disse: "Temos que aceitar o fato que, Elvis é uma grande parte de nossas vidas e sempre será".


O que eu estou perguntando é, havia um sentimento verdadeiro ou Elvis era apenas uma segurança financeira?Como eu vejo, eu sempre admirei Elvis, mesmo antes de conhecê-lo pessoalmente. Existe muito marasmo no tipo de trabalho que nós tínhamos. Muitos momentos quando você precisava ter uma força interior para lidar com o estilo de vida. Você diz para você mesmo: "Estou levando este tipo de vida e é tudo que eu sei. E se eu for despedido?". Mas acho que quase todo mundo que trabalhava para Elvis começou como amigo no inicio. Todos nós voltamos por causa da amizade. Não era Elvis dizendo, "Preciso de um contador".
Eu comecei como segurança, fiz dublagem em alguns filmes e trabalhei como editor também, e depois fui relações públicas nos últimos 5 anos. Este foi o trabalho que ele me ofereceu quando ele foi encontrar-se com o presidente Nixon em Washington. Eu estava com ele na época. Ele me ofereceu o emprego e eu recusei a princípio porque a idéia de ficar o tempo todo sem fazer nada, apenas esperando para assistir filmes não me atraía.
Eu disse: "Como você acha que eu me sinto? Nós voltamos para Memphis e eu fico sentado aqui por 3 meses e nós vamos assistir filmes toda noite". Ele era incrível. Ele apenas me disse: "Como você acha que eu me sinto, eu faço a mesma coisa".
Mais tarde ele me enviou cartões que diziam que eu era o relações públicas dele. E os cheques começaram a entrar de novo. Eu prometi a mim mesmo que se começasse parecer como um emprego, eu ía me demitir, porque eu não queria que interferisse com a amizade. Nós não só trabalhamos juntos, nós vivíamos juntos, eu acho que o grupo que trabalhava para Elvis, foi arrumado não conscientemente, mas de acordo com a necessidade, para que Elvis pudesse viver o tipo de vida que queria viver. Eu acho que o grupo permitiu isso.


Resultado de imagem para elvis JERRY SCHILLING

Por que, em sua opinião, Elvis criou seu próprio grupo e nunca realmente fez algo além de, como você disse, ir ao cinema? Ele pagou as pessoas que o acompanhavam ? Para mim é quase irreal.Primeiro, as pessoas ao lado dele eram pessoas diferentes. Eu acho, basicamente, que o grupo era um reflexo de Elvis. Estamos falando de um cara que era conhecido como maior artista do mundo. Nenhum bobo poderia Ter entrado em cena como Elvis entrou, Ele era tão profundo que ele realmente precisava ir assistir filmes para espairecer um pouco. Nós sabíamos disso. Nós brincávamos como crianças, era uma forma de relaxar. Assistir os filmes era especial para ele e tornou-se seu estilo de vida. Uma época, nós estávamos preparados para ir a Europa em férias. Então tivemos uma reunião com o Coronel que o lembrou que se ele fosse sem dar uma entrevista coletiva local, iria magoar os fãs. Então fomos para Bahamas. Você quer saber porque ele nunca fez coisas que outras pessoas na posição dele teriam feito? Este é o exemplo perfeito.
Você acha que as coisas teriam sido diferentes se a forma como tudo aconteceu com relação a Red e Sonny tivesse sido diferente?Sim. Eu acho que a forma como tudo aconteceu não foi certa. Eu compreendo a raiva deles e concordo. Se Elvis tivesse feito o mesmo comigo eu teria ficado magoado. Mas se você conhecesse Elvis, ele não poderia Ter lidado com a situação diferentemente. Ele não era capaz de olhar para eles e dizer: "Ei, vocês estão despedidos". Ao mesmo tempo, entretanto, tenho certeza que os dois, teriam voltado a trabalhar com ele.

Você acredita que ele teria os chamado pra trabalhar para ele de novo?
Com certeza, mas tudo foi feito de forma errada e eu acredito que eles tinham direito de reclamar, fazer qualquer coisa, mas não tinham o direito de ir escrever um livro e acabar com a imagem do homem.


Resultado de imagem para elvis JERRY SCHILLING

Há algo além disso que você gostaria de dizer?Sim. Eu falei anteriormente de quanto admirava Elvis, até mesmo antes de eu conhecê-lo. Eu gostaria que todos soubessem que quando eu o conheci, ele não se transformou em apenas uma pessoa, mas um amigo muito especial. Você sempre podia contar com ele. Ao mesmo tempo, ele foi um homem muito especial, mas era também um ser humano e como todo ser humano ele fez algumas coisas erradas. Julguem o homem pelo o que ele fez. Ele foi um homem que fez muita gente feliz neste mundo. Ele ousou ser diferente. Ele foi também um homem que raramente magoou pessoas. Ele fez muita coisa boa e se ele magoou alguém, foi a ele mesmo, e isso não foi intencional. Mas eu acho que ele tinha direito de errar. Acho que o mundo perdeu muito de sua mágica quando Elvis morreu, e eu sei que nunca será o mesmo para mim. ....................fim